Universo Íntimo é um curso que criei em 2004 com a intenção de compartilhar conhecimentos acerca da sexualidade da mulher como, por exemplo, os exercícios pélvicos, a compreensão de seu ciclo menstrual, seu autoconhecimento corporal, seus orgasmos, suas dúvidas... Com o tempo esta vivência foi ganhando cada vez mais profundidade e, diante da notável necessidade das mulheres de falar destes assuntos, decidi abrir mais este espaço de informação. Embora seja mais voltado às mulheres, vários assuntos abordados aqui são para ambos os sexos, já que trata de sexualidade. Assim, aviso aos visitantes homens que também são muito bem vindos.
Universo Íntimo é pelo amor, pela felicidade, pelo prazer de ser!

quinta-feira, 24 de março de 2011

A progesterona em nosso humor e apetite sexual

As reações físicas, emocionais e comportamentais que resultam dos hormônios dependem da combinação entre eles, e não somente da taxa de um hormônio, ou seja, devem ser observados em conjunto e não isoladamente.
No entanto, cada hormônio carrega suas características; conhecer as ações de cada um deles nos ajuda a compreender melhor nossas mudanças de humor e, consequentemente, entrar em harmonia com nosso corpo.

Neste texto compartilho com vocês algumas informações sobre a progesterona e seus efeitos sobre o apetite sexual.

A progesterona é um dos hormônios atuantes no ciclo menstrual. É produzida pelos ovários, pelas glândulas supra-renais e, durante a gravidez, pelo corpo lúteo.
Na primeira metade do ciclo (do sangramento até a ovulação) a progesterona se mantém baixa em relação ao estradiol, é após a ovulação que a progesterona aumenta, mantendo sua curva próxima do estradiol, atingindo seu pico cerca de uma semana após a ovulação. Ela prepara o endométrio para implantação do embrião, não ocorrendo a nidação, o corpo lúteo para de fabricar progesterona e estradiol, e a queda destes ocasionará a descamação do endométrio iniciando um novo ciclo.

A seguir transcrevo alguns trechos do livro "Alquimia do Amor e do Tesão", da Dra. Theresa L. Crenshaw:

"A progesterona é o "agressor sexual" natural. Ela mata o impulso sexual em ambos os sexos, principalmente por reduzir a testosterona. A Provera, progesterona sintética, é um "agressor sexual" tão potente que já foi empregada para castrar quimicamente estupradores de crianças e outros agressores sexuais. A progesterona sintética também é o principal componente do implante Norplant e de diversos outros anticoncepcionais. (Pense nas implicações disto sobre a libido da mulher: a progesterona revela uma propriedade anticoncepcional não prevista, acabando com o nosso interesse por sexo.) Além disso, a progesterona reduz os odores sexuais positivos (feromônios) em animais, podendo até provocar na mulher um cheiro desagradável aos homens, o que reduz a probabilidade de atração recíproca numa noite de sábado.
A progesterona é um hormônio paradoxal. Por um lado, pode tornar as mulheres irritáveis e agressivas - irritáveis com relação aos homens e agressivas para proteção da prole. Nesse aspecto, esse hormônio tem efeito similar ao da testosterona, provocando hostilidade não só contra os intrusos, mas também contra o marido ou companheiro.
No reino animal, os machos frequentemente atacam e/ou comem a prole. É o reflexo maternal - devido principalmente à progesterona - que protege os filhotes contra todos os perigos, inclusive os próprios pais. Contudo, embora leve as fêmeas à ação agressiva, a progesterona também torna as mulheres carinhosas, principalmente para com os filhos. Sabe-se que este hormônio tem propriedades levemente sedativas, anestésicas, além de exercer um efeito calmante. Esses efeitos aparentemente contraditórios talvez venham a ser explicados no futuro, quando se descobrir a presença de diversas formas de progesterona, tendo talvez cada uma delas suas características específicas."

"...Muitos métodos de controle de natalidade contêm altas doses de progesterona sob uma forma ou outra. Sem um bom conhecimento do efeito que essas substâncias acarretam sobre a sexualidade e o estado emocional, você não estará preparada para fazer a escolha adequada. (...)
É necessário não esquecer que, quando a ovulação é suprimida e o ciclo normal do mix sexual feminino se altera, haverá como consequência uma mudança nos picos sexuais normais de uma mulher."

"...Quando os níveis de progesterona estão altos (e os estrogênios estão baixos), durante a segunda metade do ciclo, a mulher pode se sentir protetora e preferir o contato físico e o aconchego em vez do sexo "genital". (...)
Você percebeu que ela estava cansada demais para o orgasmo, mas que teria aguentado ser acariciada a noite inteira? Este é um estado natural e maravilhoso, comum às mulheres durante certos períodos de seus ciclos."

A necessidade de um método contraceptivo deve ser considerada. Cada mulher/casal fará o balanço dos prós e contras de cada opção e decidirá aquilo que melhor lhe atende em seu momento. Para isto, todas as informações sobre cada método devem ser disponibilizadas.
Várias mulheres já me questionaram durante os cursos sobre a queda no apetite sexual que vinham sentindo, e não haviam sido informadas sobre este possível efeito do anticoncepcional receitado. Aquilo que deveria ser um incentivo para a vida sexual do casal acabava por desestimulá-la.
Cada mulher é única e cada corpo é um corpo, assim, as reações podem ser percebidas com maior ou menor intensidade para cada uma. Quanto mais a mulher conhecer seu próprio ciclo, mais condições terá de observar os efeitos favoráveis ou desfavoráveis do medicamento em seu corpo/humor, facilitando a escolha do método.

No ciclo menstrual natural, sem uso de anticoncepcional químico, considerando os efeitos da progesterona, podemos enfatizar que o período após a ovulação está mais favorável para o aconchego, para contatos físicos acolhedores e relaxantes como massagens, banhos especiais, colo e carinhos delicados. Desta forma, o contato sexual do casal se mantém e se reduz a probabilidade de sintomas como irritabilidade, intolerância, desânimo e outros, frequentes na síndrome pré menstrual.

A progesterona também aumenta, juntamente com a prolactina, nos meses após o parto e na amamentação. Esta combinação hormonal reduz consideravelmente o impulso sexual da mulher. A sexualidade na maternidade recente tem inúmeras sutilezas e será abordada mais a fundo futuramente aqui neste blog. 

Lembrando que os hormônios atuam uns com os outros, assim, pode-se equilibrar os efeitos de um estimulando a produção de outros. Sabendo que o toque estimula a produção de ocitocina,  o contato carinhoso no período pós ovulatório certamente será benéfico para o período pré-menstrual.
Mas a ocitocina é assunto para um outro dia...

Até breve!
Com carinho, Álika

6 comentários:

  1. Álika! Que linda iniciativa, seu trabalho é maravilhoso! Bem vinda ao mundo dos blogs..rs
    Um beijo
    Ju Sobral

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante Álika! Parabéns pelo blog!

    beijos, Tamara

    ResponderExcluir
  3. Adorei habiba !!!!!!!!!!
    Sucesso sempre na sua caminhada!
    Bjo enorme

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente...desculpas...mas desmotiva muito quem não tem outra solução a não ser usar a progesterona...portadoras de endometriose devem obrigatoriamente usar a progesterona não é? poxa que triste...eu tenho endo e estou usando a progesterona...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernanda, grata pelo comentário. Se esta é a solução para o seu momento acolha-a como aliada colocando na balança os prós e contras conforme a sua situação ;) Junto a isto, sugiro que busque informações e outros pontos de vista com relação à endometriose nas medicinas chinesa, ayurvédica, homeopatica por exemplo, podes encontrar outras alternativas conforme seu caso. Seu útero está lhe dizendo algo, ouça-o com amor. Abraço!

      Excluir